MOMENTOS MARCANTES

A transparência impulsionada por trabalhadoras e trabalhadores

 MOMENTOS MARCANTES: impulsionada por trabalhadoras e trabalhadores 

Em parceria com a fundação Wage Indicator, estamos unindo esforços para colocar os dados nas mãos daqueles que mais ganham com a transparência: trabalhadoras e trabalhadores.

O seguimento das leis trabalhistas é um grande problema na Indonésia. O recente relatório da Organização Internacional de Trabalho (OIT), intitulado Work Better, revelou que 37% das fábricas na região da Grande Jacarta não estavam em conformidade com os pagamentos do salário mínimo e que 75% delas não remunerava as horas extras de forma adequada.


Por essa razão, apoiamos a Wage Indicator para adaptar suas pesquisas sobre salário mínimo e leis trabalhistas à Indonésia. Em 2018, eles montaram as páginas da transparência da Gajimu Garment, uma plataforma online baseada em um aplicativo que incentiva os trabalhadores a darem e receberem informações sobre condições de trabalho e remuneração. O objetivo foi conscientizar a não conformidade ao divulgar publicamente essas informações e fortalecer as negociações dos trabalhadores com a administração da fábrica, de forma a levar a melhores condições de trabalho.

Disponível nos idiomas indonésio (Bahasa Indonesia) e inglês, a Gajimu Garment oferece aos trabalhadores a oportunidade de inserir dados sobre salários e condições de trabalho e imediatamente compará-los com os valores do salário mínimo e com as informações das leis trabalhistas. Os trabalhadores respondem a perguntas como: “O empregador fornece contratos de trabalho por escrito?”, “O empregador fornece um dia de descanso semanal?”, “Os salários são pagos regularmente?” e “O empregador contrata crianças com idade inferior a 15 anos?”. As respostas são quantificadas e comparadas.


Com os resultados, os trabalhadores podem ver se sua fábrica é melhor ou pior em relação a outras cadastradas no site. Já as fábricas, podem se comparar em quesitos como salários, horas de trabalho e liberdade de associação.

Desde quando a iniciativa da Gajimu Garment começou, em 2017

94

fábricas
de roupas

receberam os resultados de dados de pesquisa, que agora podem ser acessados no site Gajimu.com.


Melhorias tangíveis foram realizadas em 15 fábricas que, juntas, empregam 30.000 pessoas.

5300

trabalhadores participaram da melhoria na transparência do mercado de trabalho na Indonésia

33%

das 36 fábricas pesquisadas mostraram melhorias em suas condições de trabalho e interesse em dar continuidade à iniciativa em 2019

Em apenas um ano, 5.300 trabalhadores participaram enviando dados e fornecendo informações a 94 fábricas sobre onde se encontram os problemas em potencial. Isso levou a melhorias tangíveis em 15 fábricas que, juntas, empregam 30.000 pessoas. As melhorias incluem: acordos coletivos de trabalho fortalecidos, a oferta de tornar trabalhadores contratados em funcionários permanentes, horas extras realizadas de forma não forçada e devidamente remuneradas, formação de novos sindicatos em fábricas onde antigamente não havia nenhum e a inclusão de trabalhadores em planos de saúde e de aposentadoria.


A Gajimu Garment mostrou o papel crucial que os trabalhadores podem desempenhar ao criar uma cultura voltada à transparência orientada por e para o trabalhador. Afinal, as pessoas que fazem nossas roupas devem ter o poder de realizar as mudanças para si próprias.

É muito bom ter alguém que se preocupa com a situação do trabalhador em nossas fábricas. Percebo que aprendi muito sobre as leis trabalhistas enquanto participei da pesquisa da Gajimu e consigo ver os resultados de imediato. Vamos esperar que, com essa pesquisa, os empregadores ouçam o que temos a dizer.

ERNI | TRABALHADOR DA PT. INDONESIA WACOAL